topo
meio_simbolo riscas1
  simbolo_bottom  
espaço
 
editora
separador
espaço
separador
espaço
 
produtos
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
 
Instruções aos autores
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
 
 
 

 
Livros
separador Livros

separador ENSAIO AO REDOR DE PEREIRA FORJAZ E PEREIRA FORJADO
espaço

Encomendas

Autores: Miguel Maria Telles Moniz Côrte-Real, João Manuel de Moraes Lamas Silveira de Mendonça
Título: Ensaio ao redor de Pereira Forjaz e Pereira Forjado
Colecção:
Ensaios
Local:
Lisboa
Ano: 2009
Páginas: 128
ISBN: 978-989-640-043-9
Depósito Legal: 294692/09
Dimensões: 24x17 cm
Encadernação: Brochado
Peso: 245 gr
Preço: 18,17 €

Sumário:

Vestíbulo

1. Razões de um processo de confirmação

2. A ausência de todos os ascendentes alegadamente próximos de João Garcia (Pereira), do Faial, e de sua alegada mulher, nas genealogias continentais, mesmo nas que lhes são praticamente contemporâneas

3. Ascendência de D. Isabel Pereira Sarmento, alegada mulher de João Garcia Pereira. Onde se encontra Gonçalo Pereira de Lacerda, o Roxo?

4. A uma inexistência reiterada vem somar-se uma impossibilidade
cronológica

5. Sarmento, um apelido disseminado a partir do terceiro quartel do século XVI, mas pouco fundamentado

6. João Garcia, do Faial, um inesperado sobrinho de Lopo Soares
de Albergaria

7. Uma constatação evidente

8. Vendo a questão pela positiva

9. João Garcia, condenado a dez anos de degredo na ilha do Faial

10. Não se documentando o Gonçalo Pereira teremos de nos contentar com o documentado Gonçalo de Pereiro, povoador da ilha do Faial

11. Reconstituição de alguma da descendência de Gonçalo de Pereiro e Maria Fernandes, faialenses

12. Uma omissão importante

13. A fundamentação da descendência de João Garcia Pereira, tal como se contra formulada nas Genealogias da ilha Terceira

14. Um testemunho notável

15. Alegações finais

Este ensaio investiga uma história de ambição mal calculada que, a despeito de evidentes erros de construção, se converteu num caso de inesperado sucesso.

Não se debruçou exclusivamente sobre a crítica histórica dum entronque fantasioso. Procurou indicar pistas para que se tentasse compreender, à luz de sucessivos quadros de mentalidades, correspondentes a diversos ciclos económicos, e a diferentes períodos da estruturação duma sociedade de "nova fronteira", como foi possível aceder eficazmente a um estatuto local que, tudo apontava nesse sentido, viria a ser rapidamente desmascarado através da desmontagem dos seus postulados.

Se os Pereiro, povoadores da ilha do Faial, tivessem escolhido como mitologia familiar uma origem, mais ou menos plausível num tronco pouco documentado da baixa nobreza galega, ainda hoje os investigadores se poderiam encontrar na fase de ligar fiapos de informação desgarrada, porventura sem chegar a resultados convincentes.

Mas não foi esse o caso. Essa linhagem, que teve a capacidade de iniciar uma ininterrupta ascenção social a partir de ofícios relativamente subalternos, obtidos por aliança matrimonial, desde cedo reclamou um estatuto ímpar no seio da emergente nobreza das ilhas: nada menos do que uma inverosímil descendência por varonia do tronco dos condes da Feira (logo eles, exaustivamente referidos, individualizados e datados em fontes primárias), condimentada com uma ascendência feminina que os ligava à antiga linhagem Pereira de Lacerda, dos Morgados de Baleizão. As elites açorianas dos primeiros séculos do povoamento compartilhavam raízes comuns e a diferenciação social auxiliou uma estreita rede endogâmica dentro da qual o questionar os mitos fundacionais de uma linhagem constituía uma ameaça geral à coesão do estamento. Assim se explica que, a despeito da evidente mistificação em que assentava o seu entronque na alta nobreza de corte, ele tenha sido localmente aceite durante séculos. Mas demonstra também a fragilidade duma crítica histórica pouco empenhada na investigação, compreensão e desconstrução dos mitos genealógicos.

 

 

topo  topo

 



   

separador
espaço
 
   
 
espaço

separador
espaço
 
   
 
espaço

separador
espaço
 
   
 
espaço

separador
espaço
 
   
 
espaço

separador
espaço
 
   
 
espaço

separador
espaço
 
   
 
 
espaço

 
  simb.reader Download Acrobat Reader    simb. winzip Download Winzip  
espaço
espaço


Copyright © 2003 Universidade Lusíada de Lisboa | Todos os direitos reservados
Resolução 800x600 pixeis | Internet Explorer 4.0
Actualizado em