topo
meio_simbolo riscas1
  simbolo_bottom  
espaço
 
editora
separador
espaço
separador
espaço
 
produtos
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
 
Instruções aos autores
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
separador
espaço
 
 
 

 
Livros
separador Livros

separador ELITES ECONÓMICAS E INFLUÊNCIA POLÍTICA
espaço

capa

Encomendas

Título: Elites económicas e influência política: contributos para o seu estudo nos primórdios do Estado Novo
Autor: Joaquim Manuel Croca Caeiro
Colecção: Ensaios
Local: Lisboa
Ano: 2011
Páginas: 159
ISBN: 978-989-640-077-4
Depósito Legal: 322234/11
Dimensões: 24x17 cm
Encadernação: Brochado
Peso: 300 gr
Preço: 12,00 €

Capítulo I - Introdução.

  1. O objecto de estudo.

Capítulo II - O ecossistema do corporativismo português.

  1. Os teóricos dos Séculos XIX e XX.
  2. A Doutrina Social da Igreja.
  3. O Estado Novo.

Capítulo III - A Câmara corporativa: organização e funcionamento.

  1. 1. A Câmara Corporativa.

Capítulo IV - Os grupos económicos na evolução do Estado Novo.

  1. As Forças Económicas.

Capítulo V - Os grupos económicos de origem familiar no apoio ao Estado Novo".

  1. A origem familiar dos principais grupos económicos.
  2. A Lei do condicionamento industrial.
  3. O período de 1933-39.
  4. O período de 1939-45.

O corporativismo enquanto sistema político e refrência ideológica que marcou um período significativo do espaço europeu em geral e português, em particular, tem a sua génese no pensamento escolástico, característico da Idade Média, assente na ideia de que no seu conjunto, a sociedade estava orientada para a realização dos objectivos definidos por Deus através da cooperação entre as suas partes constitutivas.

Comparada a um organismo , a sociedade deveria, tal como ele, desempenhar as funções necessárias ao equilíbrio fundamental à sua sobrevivência. Assim, a sociedade não poderia destacar-se do próprio Estado, uma vez que aquela, enquanto estrutura orgânica integradora dos estados ou ordens necessárias à sua funcionalidade estamental, não permite que este se assuma com o que caracteriza a sua própria essência - o monopólio da força legítima.

topo  topo

 



   

separador
espaço
 
   
 
espaço

separador
espaço
 
   
 
espaço

separador
espaço
 
   
 
espaço

separador
espaço
 
   
 
espaço

separador
espaço
 
   
 
espaço

separador
espaço
 
   
 
 
espaço

 
  simb.reader Download Acrobat Reader    simb. winzip Download Winzip  
espaço
espaço


Copyright © 2003 Universidade Lusíada de Lisboa | Todos os direitos reservados
Resolução 800x600 pixeis | Internet Explorer 4.0
Actualizado em